Governance na Administração Pública. A relevância dos modelos económicos e da gestão privada nas políticas públicas de organização administrativa em Portugal. Contextos e Oportunidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v15i6.3845

Palavras-chave:

Governance, Estado, Administração Pública, Liberalismo

Resumo

A Governance embora sempre tivesse existido, pelo menos enquanto paradigma clássico de Webber, Taylor, Fayol ou Galbraith, baseada em modelos de organização sociológica e económica transpostos para o serviço público, adquiriu na década de 80 uma outra dimensão ao absorver no domínio público as práticas de gestão do setor privado, à luz duma ideologia neoliberal em que o Estado deve apenas regular e articular em rede, reduzindo ao mínimo a sua intervenção na economia. Surge o New Public Management e o New Public Service, evidenciando ambos sincretismos vários, desde a externalização, à cedência, ao licenciamento ou à realização de Parcerias público-privadas. Em Portugal, com a entrada na CEE em 1986 e por exemplo através do seu estatuto de membro da OCDE, foi-se bebendo dessas influências, á medida que o legislador atuava em conformidade. Entre 1990 e o momento atual Portugal modificou largamente o modo de abordar e aplicar a governance na administração pública. Veremos como o PREMAC, o PRACE, os vários SIMPLEX ou a RAFE estruturaram na prática uma nova forma de governance da Administração Pública portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, F.. Curso de Direito Administrativo, Lisboa: Almedina, 2015.

ARZILEIRO, A. C. Um novo modelo de manual de controlo interno para a Direção Regional de Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo, Dissertação de mestrado em Administração Públicas: ISCTE, 2014

AUCOIN, P., The New Public Management: Canada in Comparative Perspective. Montreal: Institute for Research on Public Policy, 1995

CAUPERS, J. Introdução à Ciência da Administração Pública: Âncora Editora, 2002.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado: Cosac & Naify: São Paulo, 2003.

ENDRES, A. V., Redes Políticas como Novo Instrumento de Condução Política do Estado: Contextualização Frente à Complexidade Social e Possibilidades para o Planejamento Turístico. Turismo - Visão e Ação - volume 5 - n.3 - set/dez, 2003.

DENHARDT, R. B. e DENHARDT, J.V. The New Public Service: Serving Rather than Steering in Public Administration Review, 2000. DOI: https://doi.org/10.1111/0033-3352.00117

DUMONT, L., Homo aequalis I. Genèse et épanouissement de l'ideologie économique, Gallimard: Paris, 1977.

HARVEY, D., The Condition of Postmodernity; An Enquiry of the Conditions of Culture Change: Blackwell, 1989.

FAYOL, H., Administration industrielle et générale; prévoyance, organisation, commandement, coordination, controle (in French): Paris, H. Dunod et E. Pinat, 1916.

HOBBES, T., Elements of law, natural and politic, with Three lives: Oxford, University Press, (1640) 1994.

LOPES, A. e RODRIGUES, C., A Modernização da Administração Pública passa por uma Revolução Burocrática, Lusíada. Economia & Empresa: Lisboa, n.º 10/2010.

MADELINO, F. et al. Reorganização do Estado e da Administração Pública e a Questão dos Recursos Humanos: ISCTE-IUL, 2015.

MADUREIRA, C., A reforma da Administração Pública Central no Portugal democrático: do período pós-revolucionário à intervenção da troika. Universidade Lusíada, Direção-Geral de Administração e Emprego Público (DGAEP) Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL). Revista de Administração. Pública — Rio de Janeiro 49(3):547-562, maio/jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7612129503

MATEUS, J. C., O Governo Electrónico, a sua aposta em Portugal e a importância das Tecnologias de Comunicação para a sua estratégia: Revista de Estudos Politécnicos Polytechnical Studies Review, Vol VI, nº 9, 2008.

MARTINS, C. E., Tecnocracia como modo de produção: Revista Administração de Empresas, vol.13 n.º.3, São Paulo jul./set. 1973. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901973000300003

MARTINS, N. A contabilidade Analítica nas Instituições de Ensino Superior. Prestação de contas no sector Público. Dissertação de Mestrado, Universidade Aberta: Coimbra, Editora Dislivro, 2005.

NATÁRIO, M. M., FERNANDES, G. e SUSANA, M., Governância: A Reinvenção da gestão Pública e a Modernização Municipal: Gestão das Organizações sem Fins Lucrativos: Guarda, Instituto Politécnico da Guarda, 2013.

ORTNER, S., Theory in Anthropology since the Sixties. Comparative Studies Society and History, Vol. 26, No. 1. , jan., 1984. DOI: https://doi.org/10.1017/S0010417500010811

PEREIRA, P. T., A teoria da escolha pública (public choice): uma abordagem neoliberal? Análise Social, vol. xxxii (141), (2.°),1997,pp. 419-442.

REIS, A. M. S. Modelos de governação e parcerias público-privadas (PPP): o caso dos Clusters em Portugal: Lisboa, ISCTE, Dissertação de mestrado em Gestão e Políticas Públicas, 2012.

RIBEIRO, S. A. Externalização dos serviços municipais: o serviço público como alternativa a si próprio. Dissertação de mestrado em Administração Pública: Minho, Escola de Economia da Universidade do Minho, 2014.

ROSA, D. R. Redesenho Organizacional na Administração Pública Portuguesa: - A adoção do PRACE no Ministério da Economia e da Inovação. Dissertação de Mestrado em Gestão e Políticas Públicas: Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa, 2012.

ROSALINO, H. Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado– PREMAC - Secretaria de Estado da Administração Pública, Relatório de Execução, 2011.

ROUSSEAU, J J. The Social Contract or Principles of Political Right. Hertfordshire: Wordsworth Editions Ltd, 1998.

SILVA, L. A Gestão dos Recursos Humanos na Administração Pública Central a Lei da Mobilidade – um Princípio ou uma Imposição – Estudo de Caso. Dissertação de mestrado em Administração Pública: Coimbra, Universidade de Coimbra, Faculdade de Direito, 2014.

SMITH, A. A Riqueza das Nações: Lisboa, Edição Fundação Calouste Gulbenkian, Vol. I e II, 1999.

SOUSA, M. e MATOS, S. Direito Administrativo Geral; Introdução e Princípios Fundamentais: Lisboa, Tomo I, D. Quixote, 2004.

TAYLOR, F. Princípios da administração científica: São Paulo, Editora Atlas S.A. 1995.

WEBBER, M., The Theory of Social and Economic Organization: Oxford, Oxford University Press, 1964.

WEBBER, M. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo - Die protestantische Ethik und der 'Geist' des Kapitalismus: São Paulo, Edições Pioneira, 1967.

Downloads

Publicado

2024-06-03

Como Citar

Luís, F. J. S. do A. (2024). Governance na Administração Pública. A relevância dos modelos económicos e da gestão privada nas políticas públicas de organização administrativa em Portugal. Contextos e Oportunidades. Revista De Gestão E Secretariado, 15(6), e3845 . https://doi.org/10.7769/gesec.v15i6.3845