Interculturalidade nas escolas indígenas do Brasil: as pedagogias ancestrais e a utilização das línguas maternas nas práticas educacionais no ano de 2022

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v15i6.3629

Palavras-chave:

Escolas Indígenas, Educação Intercultural Bilíngue, Pedagogias Ancestrais, Línguas Maternas nas Escolas Indígenas Brasileiras, Licenciaturas Interculturais

Resumo

A educação escolar indígena intercultural e bilíngue é um direito social fundamental reconhecido aos Povos Indígenas pela Constituição Federal do Brasil em 1988. As escolas indígenas foram criadas em 1999 para atender essa demanda constitucional, contudo, ainda existem defasagens no respeito aos processos próprios de aprendizagem e na utilização das línguas maternas. Essas dificuldades na implementação de práticas interculturais podem ser observadas por meio da análise de dados provenientes do Censo Escolar coletados pelo INEP/MEC no ano de 2022. A partir das informações apresentadas, é possível identificar alguns poucos avanços e as muitas contradições presentes nas escolas indígenas brasileiras. No entanto, florescem iniciativas dedicadas em contribuir com a superação deste cenário, voltadas para a formação intercultural de docentes indígenas e na construção de novas perspectivas epistêmicas. Utiliza-se do procedimento metodológico bibliográfico-investigativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ballestrin, L. M. A. (2013). Para transcender a colonialidade. [Interview by Luciano Gallas & Ricardo Machado]. IHU – Revista do Instituto Humanitas Unisinos On-line, (431). Retrieved May 1, 2024, from https://www.ihuonline.unisinos.br/artigo/5258-luciana-ballestrin

Baniwa, G. S. L., & Amaral, W. R. (2021). Povos indígenas e educação superior no Brasil e no Paraná: desafios e perspectivas. Integración y Conocimiento, 10(2), 13-37.

Baniwa, G. S. L. (2019). Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. Rio de Janeiro: Mórula, Laced.

Baniwa, G. S. L. (2017). Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indígena. Revista de Educação Pública, 26(62/1), 295-310. https://doi.org/10.29286/rep.v26i62/1.4996.

Baniwa, G. S. L. (2006). O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional.

Baniwa, G. S. L. (2022). Saberes indígenas e resistência linguística. In D. C. V. da S. Matos & C. M. C. L. de Sousa (Eds.), Suleando conceitos e linguagens: decolonialidades e epistemologias outras. Campinas, SP: Pontes Editores.

Bengoa, J. (2000). La emergencia indígena en América Latina. Chile: Fondo de Cultura Económica.

Bergamaschi, M. A. (2005). Nhembo’e: enquanto o encanto permanece! Processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Bettiol, C. A., & Mubarac Sobrinho, R. S. (2023). Quando a educação infantil é na aldeia: narrativas de professores indígenas em formação. Cadernos CEDES, 43(119), 98-108.

Bonin, I. (2015). Educação Escolar Indígena. Porantim, (377) Encarte Pedagógico VI.

Brasil. Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação. Retrieved September 5, 2023, from http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Brasil. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. (2008). Resolução n. 3, de 14 de dezembro de 1999. Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências. In L. F. V. Silva (Ed.), Brasília: CGDTI/FUNAI.

Brasil. Congresso Nacional. (2014). Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional. Retrieved May 01, 2024, from https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Candau, V. M. F. (2008). Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In A. F. Moreira & V. M. F. Candau (Eds.), Multiculturalismo: Diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes.

Candau, V. M. F. (2013). Educación intercultural crítica: Construyendo caminos. In C. Walsh (Ed.), Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir (Vol. I). Quito: Ediciones Abya-Yala.

CIMI - Conselho Indigenista Missionário. (2017). Por uma educação descolonial e libertadora: manifesto sobre a educação escolar indígena no Brasil. Brasília: Cimi.

D'Angelis, W. R. (2012). Aprisionando sonhos: A educação escolar indígena no Brasil. Campinas, SP: Curt Nimuendajú.

Dussel, E. (2012). 1492: el encubrimiento del otro. Buenos Aires: Docencia.

Ferreira, B. (2018). Descolonizando a escola: em busca de novas práticas. Avá online, (33), 165-184.

Ferreira, B. (2010). Em busca de políticas públicas para efetivação da educação escolar indígena diferenciada. Tellus, 10(19), 203-210.

Gadotti, M. (1995). Concepção dialética da educação: Um estudo introdutório (9th ed.). São Paulo: Cortez.

Garcés, F. (2007). Las políticas del conocimiento y la colonialidad lingüística y epistémica. In S. Castro-Gómez & R. Grosfoguel (Eds.), El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

Gomes, N. L. (2010). Educação, raça e gênero: Relações imersas na alteridade. Cadernos Pagu, (6/7), 67-82.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2012). Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2022). Panorama Censo 2022. Retrieved May 02, 2024, from https://censo2022.ibge.gov.br/panorama/index.html

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2007). Estatísticas sobre educação escolar indígena no Brasil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Retrieved May 02, 2024, from https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/estatisticas_sobre_educacao_escolar_indigena_no_brasil.pdf

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2023). Microdados. Retrieved September 10, 2022, from https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/microdados

Jecupé, K. W. (2020). A terra dos mil povos: história indígena do Brasil contada por um índio. São Paulo: Peirópolis.

Kahn, Marina. “Educação Indígena” versus educação para índios: sim, a discussão deve continuar. Em Aberto, (14/63).

Knapp, C., & Martins, A. M. S. (2017). Alguns apontamentos para a efetivação de uma educação escolar indígena específica e diferenciada: identificando os desafios e construindo possibilidades. In M. Báez Landa & A. F. Herbetta (Eds.), Educação indígena e interculturalidade: um debate epistemológico e político. Goiânia: Editora da Imprensa Universitária.

Kopenawa, D., & Albert, B. (2015). A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras.

Lander, E. (2000). Ciencias sociales: saberes coloniales y eurocéntrico. In E. Lander (Ed.), La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas). Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Maldonado-Torres, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In S. Castro-Gómez & R. Grosfoguel (Eds.), El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Monte, N. L. (2000). E agora, cara pálida? Educação e povos indígenas, 500 anos depois. Revista Brasileira de Educação, (15), 118-133.

Monteiro, J. de O., & Wenczenovicz, T. J. (2023). Direitos humanos, educação escolar indígena e interculturalidade: cartografia das escolas indígenas brasileiras entre 1999 e 2021. Joaçaba: Editora Unoesc.

ONU, Organização das Nações Unidas (1995). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Comunicação & Educação, (3), 13-17, 30 ago. 1995. Retrieved May 02, 2024, from https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i3p13-17.

Pachamama, A. R. (2020). Boacé Uchô: a história está na terra: narrativas e memórias do povo Puri da Serra da Mantiqueira. Rio de Janeiro: Pachamama.

Quijano, A. (2000). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In E. Lander (Ed.), La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO.

Viezzér, M., & Grondin, M. (2021). Abya Yala, genocídio, resistência e sobrevivência dos povos originários das Américas. Rio de Janeiro: Bambual Editora.

Wenczenovicz, T. J., & Baez, N. L. X. (2016). Direitos fundamentais, educação indígena e identidade emancipatória: reflexões acerca de ações afirmativas no Brasil. Revista Brasileira de Direito, 12(2), 95-107.

Downloads

Publicado

2024-06-12

Como Citar

Wenczenovicz, T. J., & Monteiro, J. de O. (2024). Interculturalidade nas escolas indígenas do Brasil: as pedagogias ancestrais e a utilização das línguas maternas nas práticas educacionais no ano de 2022 . Revista De Gestão E Secretariado, 15(6), e3629 . https://doi.org/10.7769/gesec.v15i6.3629