Análise dos impactos do teletrabalho no judiciário potiguar no contexto da pandemia de covid-19: um estudo no fórum da comarca de Parnamirim/RN

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.3142

Palavras-chave:

Teletrabalho, Judiciário, Pandemia de COVID-19

Resumo

O objetivo geral da pesquisa é analisar a percepção dos servidores acerca dos impactos do exercício laboral do judiciário potiguar na operacionalização do teletrabalho no TJRN, no âmbito do Fórum da Comarca de Parnamirim, em razão da pandemia da COVID-19. Assim foi realizado um estudo exploratório, conduzida por uma survey de abordagem quantitativa, aplicado a 60 servidores que atuaram nesta modalidade de trabalho, e utilizando-se como método de análise dos dados a estatística descritiva, a análise fatorial exploratória e a correlação canônica. Os resultados permitiram a identificação de oito fatores, sendo que dois fatores que explicam 77,42% das variações entre as variáveis de desvantagens do teletrabalho e 81,29% das variações das variáveis de vantagens do teletrabalho. O modelo canônico, resultou em única função com significância estatística ao nível de 1%, a qual possui capacidade explicativa de 80,86% (R2 = 0,8086) do conjunto de variáveis independentes para avaliação do teletrabalho, com destaque ao poder explicativo da estrutura domiciliar, que explicou com magnitude negativa as vantagens do teletrabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, E. V. X. D. (2016). A adoção do teletrabalho: uma análise da aceitação do uso do trabalho a distância com jovens trabalhadores (Dissertação de mestrado). Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Agência Brasil (2020). Menos de 25% das ocupações no Brasil têm potencial de teletrabalho. Desigualdades regionais também se refletem no trabalho remoto. Recuperado em 20 março, 2021, de https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-06/menos-de-25-das-ocupacoes-no-brasil-tem-potencial-de-teletrabalho.

Barros, A. M., e Silva, J. R. G. D. (2010). Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. CADERNOS Ebape. br, 8(1), 71-91.

Bergamaschi, A. B., Filha, W. R. N., e Andrade, A. R. (2018). Home Office: Solução para Aumento de Produtividade no INPI. European Journal of Applied Business and Management, 4(3), 30-45.

Bohler, F. R. (2019). O teletrabalho no setor público: um estudo junto aos teleservidores do TRT do Paraná. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Confederação Nacional da Indústria. CNI. (2020). Teletrabalho no Brasil e mundo: legislações comparadas: estudo de relações do trabalho. Brasília, DF.

Corrar, L. J, Paulo, E. e Dias Filho, J. M. (2011). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Dingel, J. I., e Neiman, B. (2020). How many jobs can be done at home?. Journal of Public Economics, 189, 104235.

Di Pietro, M. S. Z. (2018). Direito administrativo. Rio de Janeiro: Forense.

Emenda Constitucional n. 19, de 04 de junho de 1998. Modifica o regime e dispõe sobre princípios e normas da Administração Pública, servidores e agentes políticos, controle de despesas e finanças públicas e custeio de atividades a cargo do Distrito Federal, e dá outras providências. Recuperado em 03 maio, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc19.htm.

Fávero, L. P. e Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados. (1a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Filardi, F., Castro, R. M. P., e Zanini, M. T. F. (2020). Vantagens e desvantagens do teletrabalho na administração pública: análise das experiências do Serpro e da Receita Federal. Cadernos EBAPE. BR, 18(1), 28-46.

Góes, G. S., Martins, F. D. S., e Nascimento, J. A. S. D. (2020). Potencial de teletrabalho na pandemia: um retrato no Brasil e no mundo. Carta Conjunt.(Inst. Pesqui. Econ. Apl.), 1-10.

Gunther, L. E., e Busnardo, J. C. (2016). A aplicação do teletrabalho ao poder judiciário federal. Revista Jurídica Luso-Brasileira, 2(4), 1199-1246.

Leite, A. L., e Muller, I. R. F. (2017). Teletrabalho no serviço público: estudo de caso no Ministério Público de Santa Catarina–MPSC. XX SEMEAD Seminários Em Administração. São Paulo, SP, Brasil, 20.

Lima, M. S. B. (2018). O teletrabalho no poder judiciário brasileiro: ganhos para tribunais e sociedade? As experiências de Santa Catarina e Amazonas (Dissertação de mestrado). Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2020). Working from Home: Estimating the worldwide potential. Recuperado em 05 março, 2021, de https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_protect/---protrav/---travail/documents/briefingnote/wcms_743447.pdf.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2021). Teletrabalho durante e após a pandemia da COVID-19 - Guia prático. Recuperado em 05 março, 2021, de https://www.ilo.org/brasilia/publicacoes/WCMS_772593/lang--pt/index.htm.

Organização Pan-Americana de Saúde. (2020). Histórico da pandemia de COVID-19. Folha Informativa sobre COVID-19. Recuperado em 04 março, 2021, de https://www.paho.org/pt/covid19/historico-da-pandemia-covid-19.

Pandini, L. S., e Pereira, E. D. S. (2020). O Teletrabalho no Contexto de Pandemia de COVID-19: A Percepção de Servidores Públicos do Judiciário Brasileiro E MPU. Caderno De Administração, 28(2), 55-81.

Pereira, L. D. J., Oliveira, A. C., Silva, L. P. D., e Mendonça, C. M. C. D. (2021). Teletrabalho e Qualidade de Vida: Estudo de Caso do Poder Judiciário em um Estado do Norte do Brasil. Revista Gestão e Desenvolvimento, 18(1), 222-245.

Portaria n. 747, de 16 de março de 2018. Recuperado em 20 abril, 2021, de https://repositorio.cgu.gov.br/handle/1/41909.

Portaria n. 1.730, de 27 de setembro de 2016. Regulamenta o Programa de Gestão de Demandas no âmbito do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle. Recuperado em 20 abril, 2021, de https://repositorio.cgu.gov.br/handle/1/41297.

Portaria RFB n. 947, de 20 de abril de 2012. Regulamenta a experiência-piloto de Teletrabalho no âmbito da Secretaria da Receita Federal do Brasil. Recuperado em 20 abril, 2021, de http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotadoeidAto=37824.

Resolução n. 227, de 15 de junho de 2016. Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Recuperado em 05 março, 2021, de https://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=3134.

Resolução n. 298, de 22 de outubro de 2019. Altera a Resolução nº 227, de 14 de junho de 2016, que regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário. Recuperado em 05 março, 2021, de https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/3109.

Rocha, C. T. M. D., e Amador, F. S. (2018). O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cadernos Ebape. Br, 16(1), 152-162.

Sampieri, H., Collado, C. F. e Lucio, M. D. P. B. (2013). Metodologia de pesquisa (5a ed.). Porto Alegre: Penso.

Santos, E. R. P. D., Lambarine, P. P. A., e Moreira, J. R. (2014). Teletrabalho: o futuro presente nas empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. Negócios em projeção, 5(2), 35-49.

Savic, D. (2020). Covid-19 and Work From Home: Digital Transformation of the Worforce. The Grey Journal, 16(2), 101-104.

Silva, A. M. S. D. (2015, maio). A aplicação do teletrabalho no serviço público brasileiro. Anais do Congresso Internacional de Direito e Contemporaneidade: mídias e direitos da sociedade em rede. Santa Maria, RS, Brasil, 3.

Vilarinho, K. P. B., Paschoal, T., e Demo, G. (2021). Teletrabalho na atualidade: quais são os impactos no desempenho profissional, bem-estar e contexto de trabalho? Revista do Serviço Público, 72(1), 133-162.

Yole, K. (2015). Os Impactos do Teletrabalho na Produtividade do Negócio e Qualidade de Vida do Colaborador. Programa FGV Management. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, SP, Brasil.

Downloads

Publicado

2023-11-09

Como Citar

da Costa, E. P., D’anjour, M. F., Medeiros, B. C., & de Lima Junior, M. P. (2023). Análise dos impactos do teletrabalho no judiciário potiguar no contexto da pandemia de covid-19: um estudo no fórum da comarca de Parnamirim/RN. Revista De Gestão E Secretariado, 14(11), 19606–19628. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.3142