Redes de economia solidária: descrições de experiências no Brasil

Autores

  • Carla Saturnina Ramos de Moura
  • Erilva Machado Costa
  • Wellington Dantas de Sousa
  • Elielma Santana Fernandes
  • Adriana Ferreira Nascimento
  • Jorge Luis Cavalcanti Ramos
  • Lucia Marisy Souza Ribeiro de Oliveira
  • Francisco Ricardo Duarte

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2922

Palavras-chave:

Economia Solidária, Redes, Agricultura Familiar, Agroecologia

Resumo

Este artigo teve como objetivo descrever características de algumas redes de Economia Solidária no Brasil. Sendo apresentados aspectos referentes a motivação para sua constituição; integrantes que as compõem; produtos comercializados; formas de comercialização e produção. A pesquisa consiste em uma revisão bibliográfica, com uma abordagem qualitativa. A coleta dos artigos foi realizada durante o mês de janeiro de 2021 e março de 2021 na plataforma https://scholar.google.com.br. Os resultados da pesquisa evidenciam que as Redes analisadas são constituídas a partir da mobilização de grupos sociais, organizações não governamentais e em alguns casos, consumidores com atividades subsidiadas na agricultura familiar e na agroecologia. Os produtos são comercializados em sua maioria no comércio local, por meio de feiras, no entanto, destaca-se também uma mobilização de venda para o comercio internacional, assim como também o mercado institucional por meio do Programa Nacional de Alimentação (PNAE). Diante dos elementos apresentados, conclui-se que as Redes atuam fortemente na consolidação da Economia Solidária, subsidiando a produção e comercialização dos produtos.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANA. Articulação Nacional Agroecolgia (2019). AGROECOLOGIA NA AMAZÔNIA: A EXPERIÊNCIA DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA (SPG) MANIVA. TEIA AGROECOLÓGICA. Boletim Informativo sobre Tecnologias Sociais em Agroecologia ano 2019, edição nº 18. Disponível em: https://agroecologia.org.br/2019/05/23/boletins-sobre-tecnologias-sociais-em-agroecologia/?Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Belo, D. C.; & Oliveira, E. M. S de (2019). ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: GÊNESE, TIPOLOGIAS E PRÁTICAS EXITOSAS. In: Timóteo, G.M.(Org) Economia solidária e desenvolvimento social: perspectivas e desafios no contexto da educação ambiental. Campos dos Goytacazes, RJ: EdUENF. 127p. Disponível em: https://uenf.br/extensao/editora/wp-content/uploads/sites/2/2019/10/economia-solidaria-e-desenvolvimento-social.pdf Acesso em: 01 de janeiro de 2021.

Beserra, M. R. (2011). ASSOCIATIVISMO RURAL: ESTRATÉGIA DE PARTICIPAÇÃO PARA CONSOLIDAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE PEQUENOS PRODUTORES RURAIS DE MIROLÂNDIA, EM PICOS - PIAUÍ. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011. Attena. Repositório Digital da UFPE. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9292Acesso em: 05 de Janeiro de 2021.

Beuren, I. M. (Org.) (2008). COMO ELABORAR TRABALHOS CIENTÍFICOS – TEORIA E PRÁTICA. São Paulo: Atlas.

Brasil. Senado Federal (2019). PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL - PEC Nº 69 DE 2019. Economia solidária deve ser incluída entre princípios da Constituição. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/02/12/ccj-aprova-inclusao-da-economia-solidaria-entre-principios-da-constituicao. Acesso em 20 fev. 2021.

Cassarino, J. P.; & Meirelles, L. (2018). REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA: ORIGENS, PRINCÍPIOS E SUA CONCEPÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃO. In: Perez-Cassiano, J. [et al.]. Abastecimento alimentar e mercados institucionais. Chapecó: Ed. UFFS. Praia, Cabo Verde: UNICV, 322 p.

Caritas Ceará (2015). REDE BODEGA TECENDO HISTÓRIAS DE VIDA E TRANSFORMAÇÃO. Rede Bodega Economia Popular Solidária. Edição 2. Disponível em: https://www.calameo.com/books/003261190701850e57775 Acesso em: 01 de março de 2020.

Castro, M. (2012). MULHERES E TRABALHO ASSOCIADO: AS EXPERIÊNCIAS DA REDE XIQUE-XIQUE/RN E DA REDE DE MULHERES PRODUTORAS DO RECIFE/PE. In: 17º Encontro Nacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/rt/printerFriendly/259/0 Acesso em: 15 de abril de 2020.

Castro, M. P. (2014). A AUTO-ORGANIZAÇÃO FEMINISTA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM COLETIVA: A EXPERIÊNCIA DA REDE XIQUE-XIQUE. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-22102014-132338/pt-br.php Acesso em: 30 de abril de 2020.

Costa, M. P. (2010). EXPERIÊNCIA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DA CÁRITAS DO CEARÁ: O CASO DA REDE BODEGAS. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Economia. Universidade Federal do Ceará. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/5729/1/2010_dissert_mlpcosta.pdf .Acesso em: 01 de abril de 2020.

Cunha, J. Q. (2015). AVANÇOS E LIMITES DO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA:POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Serviço Social. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Cruz, A. (2009). REDES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA–PAPÉIS E LIMITES DE ATORES ENVOLVIDOS: TRABALHADORES, UNIVERSIDADE E ESTADO. Ponencia presentada en el Seminario Internacional “La co-construcción de conocimientos y prácticas sobre la economía social y solidaria en América Latina y Canadá”, organizado por el Centro de Estudios de Sociología del Trabajo, Facultad de Ciencias Económicas de la Universidad de Buenos Aires, v. 24. Disponível em: https://base.socioeco.org/docs/redespapeiselimites.pdf . Acesso em: em 15 de abril de 2020.

Ezequiel, L. C.; Silva, P. K. A.; Lessa, B. S.; Filho, J.C.L.S.(2015).ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO INOVAÇÃO SOCIAL EM UMA ASSOCIAÇÃO EM REDE: O CASO DA BUDEGAMA. In: Revista Desenvolvimento Social, v. 16, n. 1, p. 33-51. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/2024 .Acesso em: 30 de abril de 2020.

Frantz, W. (2012). ASSOCIATIVISMO, COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOLIDÁRIA. Ijuí: Editora Unijuí.

Figueiredo, E.; Montebello, A. E. S.; & Norder, L. A. C. (2020). ORGANIZAÇÃO E PRÁTICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA COM AGRICULTORES FAMILIARES: O CASO DO INSTITUTO CHÃO. In: Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 3, p. 10348-10370. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BRJD/article/view/7381. Acesso em: 01 de março de 2020. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-059

Freitas, G. C.; & Vilpoux, O. F. (2007) ASSOCIATIVISMO E ECOMONIA SOLIDÁRIA NA PRODUÇÃO DE ACEROLA NO MUNICÍPIO DE JUNQUEIRÓPOLIS - SP. Anais V Encontro Internacional de Economia Solidária O Discurso e a Prática da Economia Solidária. Núcleo de Economia Solidária da USP. Disponível em: http://sites.poli.usp.br/p/augusto.neiva/nesol/Publicacoes/V%20Encontro/Artigos/Principios/PRI-05.pdf. Acesso em: 15 fev 2021.

Gaiger, L. I. (2009). ANTECEDENTES E EXPRESSÕES ATUAIS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 84, p. 81-99. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/401.Acesso em: 15 de fevereiro de 2020. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.401

Gil, A. C. (2017). COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA. 6ª ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, G. G; & Heidrich, A. L. (2012). REDE JUSTA TRAMA: CADEIA PRODUTIVA DO ALGODÃO ECOLÓGICO: A ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. In: Anais II Encontro de Pesquisadores de Economia Solidária, São Paulo. II ENPES. Lista dos Trabalhos Apresentados. Disponível em: https://neaufrgs.files.wordpress.com/2011/05/rede-justa-trama-gomesheidrich1.pdf Acesso em: 10 jan. 2021

Higa, W. (2005). AS REDES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE A CIDADANIA EA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Anais. Simpósio Estadual Lutas Sociais na América Latina, v. 1. Disponível em: https://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/primeirosimposio/completos/willianhiga.pdf . Acesso em: 24 de abril de 2020.

Kremer, A. M; Akahoshi, W. B; & Talamini, E. (2017). ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INFORMAIS BASEADAS EM RELAÇÕES DE CONFIANÇA PERCEBIDA. In: Revista FSA, Teresina, v. 14, n. 4, p. 213-236, jul./ago. DOI: https://doi.org/10.12819/2017.14.4.12

Leal, A. L. C. A.; Ogasavara, M. H.; & Menezes, R. A. G. (2017). O COMÉRCIO JUSTO COMO VANTAGEM COMPETITIVA NO PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO DA JUSTA TRAMA. In: Revista Interfaces. vol. 4(13), pp. 158-174. Disponível em: https://interfaces.unileao.edu.br/index.php/revista-interfaces/article/view/173. Acesso em:01 de abril de 2020. DOI: https://doi.org/10.16891/2317-434X.v4.e13.a2017.pp158-174

Lisboa, A. S.; & Alcântara, F. V. (2019). O ASSOCIATIVISMO RURAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR. In: Revista ParaOnde!?, Porto Alegre, v.11, n.1, p.17-28. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/paraonde/article/view/90807. Acesso em: 15 de março de 2020. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.90807

Lucion, J. M. R. (2016). A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO ORGÂNICA NO BRASIL – REFLEXÕES A PARTIR DA CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO ÂMBITO DA REDE DE AGROECOLOGIA ECOVIDA (RS). In: Revista Contraponto. v. 3, n. 2. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/contraponto/article/view/70258 . Acesso em: 01 de março de 2020.

Mance, E. A. (2003). REDES DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA. In: Cattani, A. D. (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz Editores.

Mance, E. A. (2005). A REVOLUÇÃO DAS REDES DE COLABORAÇÃO SOLIDARIA. Anais Encontro Internacional de Economias Salesianas, Sevilha, 2005. Disponível em: https://solidarius.net/mance/biblioteca/A_Revolucao_das_Redes_de_Colaboracao_Solidaria.pdf Acesso em: 01 de Janeiro de 2020.

Menezes, M. A. O. et al. (2018). REDE MANIVA DE AGROECOLOGIA (REMA) EM AÇÃO: FORTALECENDO O CONHECIMENTO AGROECOLÓGICO NO ESTADO DO AMAZONAS. Cadernos de Agroecologia, v. 13.

Morges, R. N. (2020). EXPERIÊNCIAS DE TECNOLOGIA SOCIAL E AGRICULTURA FAMILIAR: NO CONTEXTO DO MUNICÍPIO DE TUNAS DO PARANÁ (PR). Dissertação (Mestrado).Pós-graduação em Administração Disponível em: https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/5101/1/agriculturafamiliartunasdoparana.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

Nunes, A. B. S. et al. (2018). ECONOMIA SOLIDÁRIA NA REDE BODEGA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA NO ESTADO DO CEARÁ. In: Cadernos de Agroecologia. v. 10, n. 3. ISSN 2236-7934. Disponível em: http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/17340. Acesso em: 22 fev. 2021.

Oliveira, D.; Grisa, C.; & Niederle, P. (2020). INOVAÇÕES E NOVIDADES NA CONSTRUÇÃO DE MERCADOS PARA A AGRICULTURA FAMILIAR: OS CASOS DA REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA E DA REDECOOP. In: Redes (St. Cruz Sul. v.25, n.1, p. 135-163, jan-abr. ISSN 1982-6745. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/14248 Acesso em: 01 de março de 2021. DOI: https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14248

Paiva, I. C. P. (2019). REDES DE COOPERAÇÃO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Rover, O. J. (2011). AGROECOLOGIA, MERCADO E INOVAÇÃO SOCIAL: O CASO DA REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA. In: Revista Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo. vol. 47, n. 1, p. 56-63, jan-abr. Disponível em: https://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/1044. Acesso em: 01 de março de 2020. DOI: https://doi.org/10.4013/csu.2011.47.1.06

Severino, A. J. (2002). METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. São Paulo: Cortez.

Singer, P. (2002). INTRODUÇÃO À ECONOMIA SOLIDÁRIA. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Singer, P. (2003). GLOBALIZAÇÃO E DESEMPREGO:DIAGNÓSTICO E ALTERNATIVAS. 6ª ed. São Paulo: Contexto.

Soares, M. N. M. (2019). PRÁTICAS FEMINISTAS DE AUTOGESTÃO EM EMPREENDIMENTOS FORMADOS POR MULHERES NA REDE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/42325?locale=es .Acesso em: 16 de março de 2020.

Toniasso, H. R.; Souza, C. C.; Brum, E.; & Figueiredo, R. S. (2007). AGRICULTURA FAMILIAR E ASSOCIATIVISMO RURAL - O CASO ASSOCIAÇÃO HARMONIA DE AGRICULTURA FAMILIAR DE MATO GROSSO DO SUL E A SUA SUSTENTABILIDADE. In: Informe Gepec. vol. 12, nº 2, jul-dez. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/1323 Acesso em: 16 de março de 2020.

Walk, E. (2013). AS REDES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: UMA ANÁLISE SOBRE A UNICENTRO E A ASSOCIAÇÃO CORAJEM DE IRATI, E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação Gestão do Território. Universidade Federal de ponta Grossa Paraná, 2013. Disponível em: https://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/606. Acesso em: 14 de março de 2020.

Wandelli, E. V. et al. (2016). A EXPERIÊNCIA DA REDE MANIVA DE AGROECOLOGIA DO AMAZONAS (REMA) EM TRANSFORMAR OS LABORIOSOS PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS PELA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE ORGÂNICOS EM MOBILIZAÇÃO SOCIAL PROMOTORA DA AGROECOLÓGICA. In: Cadernos de Agroecologia. v. 10, n.3. ISSN 2236-7934. Disponível em: http://revistas.aba agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/19107. Acesso em: 24 fev. 2021.

Weber, J.; Morgan, A.; & Winck, C. A. EMPREENDEDORISMO RURAL SUSTENTÁVEL NO CONTEXTO DO OESTE CATARINENSE: UM ESTUDO DE CASO NO MUNÍCIPIO DE GUATAMBU. X

Downloads

Publicado

2023-11-07

Como Citar

de Moura, C. S. R., Costa, E. M., de Sousa, W. D., Fernandes, E. S., Nascimento, A. F., Ramos, J. L. C., de Oliveira, L. M. S. R., & Duarte, F. R. (2023). Redes de economia solidária: descrições de experiências no Brasil. Revista De Gestão E Secretariado, 14(11), 19479–19495. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2922