Análise da correlação espacial do índice de desenvolvimento humano e a acessibilidade a empregos baseado em previsão de tempo de viagem por ônibus com dados de tráfego em tempo real

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2818

Palavras-chave:

Acessibilidade, Transporte Público, Disparidade Socioespacial, Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, Correlação Espacial, Accessibility, Public Transportation, Socio-spatial Disparity, Human Development Index, IDH, Spatial Correlation, GeoDa

Resumo

O crescimento urbano do Rio de Janeiro, marcado por especulação imobiliária e falta de políticas sociais, levou à segregação das classes sociais baixas nas periferias, devido à distância dos centros econômicos e falta de acesso ao transporte público, limitando suas oportunidades de emprego. Este estudo explora a relação entre o índice de desenvolvimento humano (IDH) local e a acessibilidade a empregos, considerando os tempos de viagem por ônibus. Através da matriz de Origem/Destino criada com a Google Maps API, os índices de acessibilidade aos empregos são calculados e correlacionados com o IDH de cada local. A análise espacial usando o índice de Moran, via GeoDa, revela correlação significativa entre as variáveis, indicando que o acesso ao transporte público influencia os agrupamentos de IDH. Os resultados para bairros do Rio de Janeiro demonstram correlação global positiva entre as variáveis, com clusters de transição indicando bairros com possível melhoria no IDH. Este estudo não apenas destaca a importância da acessibilidade ao transporte público para a equidade urbana, mas também oferece uma abordagem inovadora para analisar diagnósticos de transportes urbanos, contribuindo para políticas mais eficazes de desenvolvimento urbano e social. Compreender a interconexão entre acessibilidade, desenvolvimento humano e distribuição espacial é essencial para criar cidades mais inclusivas e sustentáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. M. W., & GONÇALVES, M. B. (2002). Determinação de índices de acessibilidade a serviços escolares. In Congresso Panamericano de Engenharia de Trânsito e Transporte, Anais... Gramado: PANANM.

BEHRMAN, J. R. (2000). Social Mobility: Concepts and Measurement in Latin America and the Caribbean. In N. Birdsall and C. Graham (Eds.), New Markets, New Opportunities Economic and Social Mobility in a Changing World. Washington, DC: Brookings Institution/Carnegie Endowment for International Peace.

BOCAREJO, J. P., & URREGO, L. P. (2020). The impacts of formalization and integration of public transport in social equity: The case of Bogotá.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidente da República, (2016)

CASTRO, N. (2004). Logistic costs and Brazilian regional development. Social Sc. Research Network. DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.614162

CAO, M., & HICKMAN, R. (2020). Urban transport and social inequities in neighborhoods near underground stations in Greater London. Transportation Planning and Technology, 42(5), 419-441. DOI: https://doi.org/10.1080/03081060.2019.1609215

CÂMARA, G., CARVALHO, M. S., CRUZ, O. G., & CORREA, V. (2002). Análise espacial de áreas. In S. D. Fuks, M. S. Carvalho, & G. Câmara (Orgs.), Análise espacial de dados geográficos. Retrieved from http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/analise/cap5-areas.pdf

CERVERO, R. (2000). Informal Transport in the Developing World. United Nations Commission on Human Settlements, Nairobi, Kenya.

COSTA, C., et al. (2019). Spatial disparity of income-weighted accessibility in Brazilian Cities: Application of a Google Maps API.

DATARIO. (2022). Movimento médio diário de passageiros, segundo os transportes rodoviário, ferroviário, hidroviário e aeroviário no Município do Rio de Janeiro entre 1995-2021.

DRUCK, S., CARVALHO, M. S., CÂMARA, G., & MONTEIRO, A. V. M. (Eds.). (2004). Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília: EMBRAPA.

ERMAGUN, A., & TILAHUN, N. (2020). Equity of transit accessibility across Chicago. Transportation Research Part D: Transport and Environment, 86, 102461. DOI: https://doi.org/10.1016/j.trd.2020.102461

GACITÚA, E., & WOOLCOCK, M. (Eds.). (2005). Exclusão social e mobilidade no Brasil. Brasília: IPEA/Banco Mundial.

GIRÃO, R., PEREIRA, W. A. A., & FERNANDES, P. J. F. (2017). Elaboração de índice de acessibilidade a partir da análise geoespacial em rede. Mercator (Fortaleza), 16, e16011. https://doi.org/10.4215/rm2017.e16011 DOI: https://doi.org/10.4215/rm2017.e16011

GUTIERREZ, J., & URBAN, P. (1996). Accessibility in the European Union: the impact of the trans-European road network. Journal of Transport Geography, 4(1), 15-25. DOI: https://doi.org/10.1016/0966-6923(95)00042-9

HANSEN, W. (1959). How accessibility shapes land use. Journal of the American Institute of Planners, 25(2), 73-76. DOI: https://doi.org/10.1080/01944365908978307

HERNANDEZ, D., et al. (2017). Job accessibility through public transport and unemployment in Latin America: The case of Montevideo (Uruguay).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

INGRAM, D. (1971). The concept of Accessibility. Regional Studies, 5, 101-107. DOI: https://doi.org/10.1080/09595237100185131

JARAMILLO, C., et al (2012). Spatial disparity in transport social needs and public transport provision in Santiago de Cali (Colombia). Journal of Transport Geography. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2012.04.014

KIM, E., & HEWINGS, G. J. D. (2003). An application of integrated transport network: multiregional CGE model II: calibration of network effects of highway. Urbana: University of Illinois at Urbana-Champaign.

KOENIG, J. G. (1980). Indicators of urban accessibility: theory and application. Transportation Research, 9(2), 145-172. DOI: https://doi.org/10.1007/BF00167128

Lucas, K. (2012). Transport and social exclusion: Where are we now? Transportation Policy Urban Transp. Initiatives, 20. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tranpol.2012.01.013

LUCAS, K., et al. (2016). A method to evaluate equitable accessibility: combining ethical theories and accessibility-based approaches. Transportation, 43(3), 433-450. DOI: https://doi.org/10.1007/s11116-015-9585-2

LONGLEY, P. A., GOODCHILD, M. F., MAGUIRE, D. J., & RHIND, D. W. (2005). Geographic information systems and science. Chichester: John Wiley and Sons.

MOTTE-BAUMVOL, et al. (2016). Barriers and (im)mobility in Rio de Janeiro. Urban Studies, 53(14), 2956–2972. https://doi.org/10.1177/0042098015603290 DOI: https://doi.org/10.1177/0042098015603290

MATTIOLI, G. (2021). Transport poverty and car dependence: A European perspective. In: Advances in Transport Policy and Planning. Academic Press. https://doi.org/10.1016/bs.atpp.2021.06.004 DOI: https://doi.org/10.1016/bs.atpp.2021.06.004

O’SULLIVAN, D., & UNWIN, D. J. (2010). Geographic information analysis. New Jersey: John Wiley and Sons. DOI: https://doi.org/10.1002/9780470549094

ONG, P.M., HOUSTON, D. (2002). Transit, Employment and Women on Welfare1. Urban Geography, 23(4), 344-364. https://doi.org/10.2747/0272-3638.23.4.344 DOI: https://doi.org/10.2747/0272-3638.23.4.344

PEREIRA, R. H. M. (2019). Future accessibility impacts of transport policy scenarios: equity and sensitivity to travel time thresholds for bus rapid transit expansion in Rio de Janeiro. Journal of Transport Geography, 80, 102470. DOI: https://doi.org/10.31219/osf.io/sut7r

PEREIRA, R. H. M., & SCHWANEN, T. (2013). Tempo de Deslocamento Casa - Trabalho no Brasil (1992- 2009): Diferenças Entre Regiões Metropolitanas, Níveis de Renda e Sexo. Rio de Janeiro: Ipea (Texto para Discussão IPEA, nº.1813).

RAIA JUNIOR, A. A. (2000). Acessibilidade e mobilidade na estimativa de um índice de potencial de viagens utilizando Redes Neurais Artificiais e Sistemas de Informações Geográficas. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Universidade de São Paulo, São Carlos.

RIBEIRO, L. C., et al. (2010). Segregação residencial e emprego nos grandes espaços urbanos brasileiros. Cadernos Metrópole, 12(23). Retrieved from http://revistas.pucsp.br/index.php/metropole/article/view/5921

ROSA, S. (2006). Transporte e exclusão social: a mobilidade da população de baixa renda da Região Metropolitana de São Paulo e trem metropolitano. Dissertação (Mestrado Em Engenharia de Transportes) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

SANCHES, S. P., & FERREIRA, M. A. G. (2003). Avaliação do padrão de acessibilidade em um sistema de transporte de alunos na Zona Rural. In: Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, 17. Anais... Rio de Janeiro: ANPET.

SANTOS, A. C., ZANDONADE, E., & CAMPOS, V. B. G. (2004). Proposta de um modelo para análise de acessibilidade no transporte de cargas. In: Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, 18. Anais... Rio de Janeiro: ANPET.

SILVA, M. A. (2011). Estudo da Incorporação da Acessibilidade à Atividade na Análise de Demanda por Viagens Encadeadas. Tese (Doutorado em Engenharia Civil). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

SOHAIL, M., et al. (2010). Effective Regulation for Sustainable Public Transport in Developing Countries. Transport Policy, 13(3), 177-190. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tranpol.2005.11.004

TRAN, H. A., & SCHLYTER, A. (2010). Gender and class in urban transport: The cases of Xian and Hanoi.

VASCONCELLOS, E. A. (1996). Transporte Urbano, Espaço e Equidade. Análise das políticas públicas. São Paulo: NetPress.

VICKERMAN, R. (1974). Accessibility, attraction, and potential: a review of some concepts and their use in determining mobility. Environment and Planning A, 6, 675–691. DOI: https://doi.org/10.1068/a060675

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

Assumpção, A. C. da C., da Silva Júnior, O. S., do Nascimento, F. A. C., & Bandeira, R. A. de M. (2023). Análise da correlação espacial do índice de desenvolvimento humano e a acessibilidade a empregos baseado em previsão de tempo de viagem por ônibus com dados de tráfego em tempo real. Revista De Gestão E Secretariado, 14(11), 20132–20157. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2818