Percepções dos profissionais de secretariado executivo sobre o trabalho remoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2793

Palavras-chave:

Trabalho Remoto, Secretariado Executivo, Análise de Discurso Crítica

Resumo

Este estudo tem como principal objetivo entender e analisar criticamente as percepções dos profissionais de Secretariado Executivo em relação ao trabalho remoto. A crescente adesão a essa modalidade, influenciada pela crise do Covid-19, e as mudanças trazidas pelas novas tecnologias de comunicação são pautas importantes para a pesquisa no campo Organizacional.

Nesse sentido, surgiu a necessidade de entender como os secretários executivos percebem e se adaptam a essa nova forma de trabalho, haja vista o aumento significativo dos trabalhos secretariais pelos meios digitais. A metodologia empregada envolveu entrevistas semiestruturadas junto a estudantes e profissionais de Secretariado Executivo, os quais possuem experiências em relação ao trabalho remoto, focadas em coletar suas percepções para que fosse possível utilizar a Análise do Discurso Crítica sobre os discursos produzidos. Os resultados preliminares permitiram entender mudanças e semelhanças nas percepções dos profissionais de secretariado sobre o trabalho remoto, bem como analisar suas complexidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Berkun, S. (2013). The Year Without Pants: WordPress.com and the Future of Work. Jossey-Bass.

Bloom, N., Liang, J., Roberts, J., & Zhang, Z. (2015). Does Working from Home Work? Evidence from a Chinese Experiment. Quarterly Journal of Economics, 130(1), 165-218. DOI: https://doi.org/10.1093/qje/qju032

Brasil. (2011). Lei n. 12.551, de 15 de dezembro de 2011.

Brocklehurst, M. (2001). Power, identity and new technology homework: implications for 'new forms' of organizing. Organization Studies, 22(3). DOI: https://doi.org/10.1177/0170840601223003

Costa, I. S. A. (2006). Teletrabalho: subjugação e construção de subjetividade. RAP, Rio de Janeiro.

Creswell, J. W., & Poth, C. N. (2017). Qualitative inquiry and research design: Choosing among five approaches. Sage publications.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (Eds.). (2018). Manual SAGE de Pesquisa Qualitativa (5ª ed.). Los Angeles, CA: Sábio.

Fairclough, N. (2010). Análise Crítica do Discurso: O Estudo Crítico da Linguagem. Prentice Hall.

Fairclough, N. (2003). Analysing Discourse: textual analysis for social research. Londres e Nova York: Routledge. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203697078

Fairclough, N. (1995). Critical Discourse Analysis: The Critical Study of Language. Harlow: Longman.

Fairclough, N. (2014). Language and Power in the New Media: Communication in the Digital Age. Bloomsbury Publishing.

Fairclough. (2013). Análise Crítica do Discurso e Estudos Críticos de Políticas. Estudos Críticos de Política, 7, 177-197.

Fernandes, C. H. R. (2018). O teletrabalho no Brasil e seus desafios. Rio de Janeiro: Editora.

Huffington, A. (2014). Thrive: The Third Metric to Redefining Success and Creating a Life of Well-Being, Wisdom, and Wonder. Harmony.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: PNAD COVID-19: maio/2020: Resultado mensal. Rio de Janeiro: IBGE. Link

Jornal da USP. (2023, 17 de janeiro). Pandemia impactou o sistema de trabalho das empresas. Período de crise exigiu mudanças organizacionais como a flexibilização de horários e o teletrabalho. Jornal da USP no Ar.

Kaushik, M., & Guleria, N. (2020). O impacto da pandemia COVID-19 no local de trabalho. Revista Europeia de Negócios e Gestão, 12(15). [Link](URL da revista). ISSN 2222-1905 (Paper) ISSN 2222-2839 (Online).

Loserkann, R. G. C. B., & Mourão, H. C. (2020). Desafios do teletrabalho na pandemia Covid-19: quando o home vira office. Caderno de Administração, 28, 71-75. DOI: https://doi.org/10.4025/cadadm.v28i0.53637

Magalhães, I., Martins, A. R., & Resende, V. M. (2017). Análise de Discurso Crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Ed. da UnB. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523013370

Martínez, L. F. P. (2012). Origem da análise de discurso crítica (ADC) e principais elementos teóricos. In: Questões sociocientíficas na prática docente: Ideologia, autonomia e formação de professores. DOI: https://doi.org/10.7476/9788539303540

Nilles, J. M. (1997). Fazendo do teletrabalho uma realidade: um guia para telegerentes e teletrabalhadores. São Paulo: Futura.

Pereira, I. S. (2022). O trabalho remoto no Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte durante a pandemia da Covid-19. Monografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Pfeffer, J. (2018). Dying for a Paycheck: How Modern Management Harms Employee Health and Company Performance—and What We Can Do About It. HarperBusiness.

Resende, V. M., & Ramalho, V. (2006). Análise de discurso crítica. São Paulo, Brasil: Editora Contexto.

Schwab, K. (2016). A quarta revolução industrial. São Paulo: Edipro.

Sebrae. (2020). Guia de Tendências 2020-21.

Souza, R. B. de. (2018). Padronização e certificação da cachaça de alambique mineira: um estudo sob a perspectiva da análise de discurso crítica. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Lavras.

Van Dijk, T. A. (1997). What is political discourse analysis? Belgian Journal of Linguistics, 11, 11-52. DOI: https://doi.org/10.1075/bjl.11.03dij

Vanderkam, L. (2018, 5 de junho). The Case for Remote Work. Forbes.

Downloads

Publicado

2023-11-14

Como Citar

de Freitas, M. L. C., & de Souza, R. B. (2023). Percepções dos profissionais de secretariado executivo sobre o trabalho remoto. Revista De Gestão E Secretariado, 14(11), 19789–19809. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i11.2793