Secretariado Executivo no Brasil: Quo Vadis?

Autores

  • Ivanete Daga Cielo UNIOESTE
  • Carla Maria Schmidt UNIOESTE
  • Keila Raquel Wenningkamp UNIOESTE

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v5i3.256

Palavras-chave:

Cursos de Secretariado Executivo, Evolução, Rumo da profissão

Resumo

A década de 2000 no Brasil foi permeada por um processo de intensificação de oferta de instituições e cursos de ensino superior, decorrente, especialmente, de políticas de reestruturação e expansão das universidades. Esse cenário conduz ao entendimento de que a ampliação do ensino superior no Brasil possa ter ocorrido nas diferentes áreas do conhecimento. Diante disso, torna-se relevante entender a dinâmica particular de desenvolvimento dos cursos de Secretariado Executivo no país. Atualmente, percebe-se uma lacuna nos estudos científicos da área, no sentido de compreender o processo de crescimento ou permanência desses cursos. Sendo assim, este estudo tem o intuito de investigar a realidade dos cursos de graduação em Secretariado Executivo no país e, consequentemente, lançar olhar sobre os rumos da profissão. Especificamente, objetiva-se: a) analisar o processo evolutivo da oferta dos cursos de graduação de Secretariado Executivo no país; b) mapear a oferta desses cursos nas regiões do país. Para tanto, o estudo está embasado a guisa da literatura da área de secretariado. Em termos metodológicos, a pesquisa apresenta abordagem quantitativa, sendo que os principais procedimentos de investigação se deram a partir de pesquisa documental, desenvolvida com base em dados do MEC (2013), ENADE (2012) e IPEA (2013). Os principais resultados remetem a uma reflexão urgente sobre o futuro dos cursos de bacharelado em Secretariado no país, uma vez que estes vêm enfrentando um significativo processo de redução no quantitativo de turmas em funcionamento. Tal conjuntura pode impactar positivamente na oferta de cursos tecnológicos em detrimento aos cursos de bacharelado.

DOI: 10.7769/gesec.v5i3.256

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivanete Daga Cielo, UNIOESTE

Graduada em Secretariado Executivo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1994) e mestra em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Atualmente é professora assistente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná e é aluna regular do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio - nível de doutorado na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Atua principalmente nas áreas de secretariado executivo e empreendedorismo. Contato:[email protected]

Carla Maria Schmidt, UNIOESTE

Graduada em Secretariado Executivo pela UNIOESTE, Doutora em Administração pela FEA/ USP e Mestre em Administração  pela FURB. Atualmente está cursando Pós Doutorado pela FURB. É docente da UNIOESTE, nos cursos de Secretariado Executivo e Programa de Pós GraduaçãoStrictu Sensuem Desenvolvimento Regional e Agronegócio. É líder do Grupo de Pesquisa em Secretariado Executivo da Unioeste (GPSEB) e atua como colaboradora na organização da Revista Expectativa. Áreas de atuação e pesquisa: Administração e Secretariado Executivo, com ênfase em Redes, Ações Coletivas e Empreendedorismo. Contato:[email protected]

Keila Raquel Wenningkamp, UNIOESTE

Graduada em Secretariado Executivo pela UNIOESTE. Atualmente é aluna regular do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio - nível de mestrado - na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. É docente temporária da UNIOESTE, no curso de Secretariado Executivo. Atuação e pesquisa: Secretariado Executivo e Ações Coletivas.Contato:[email protected]

Referências

Biscoli, F. (2012). A evolução do secretariado executivo: caminhos prováveis a partir dos avanços da pesquisa científica e dos embates teóricos e conceituais na área. In: Durante, D. G. (org.) Pesquisa em Secretariado: cenários, perspectivas e desafios. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo.

Biscoli, F. & Cielo, I. D. (2004). Gestão organizacional e papel do secretário executivo. Revista Expectativa. Toledo: Edunioeste, vol. 3, n. 3, pp. 11-19.

Brasil (2004). Presidência da República. Lei n. 10.861 de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – Sinaes. Diário Oficial da União. Brasília, 15 abr. 2004. Recuperado em 3 mar. 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm>.

Brasil (2005). Presidência da República. Lei n. 11.096 de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos – Prouni. Diário Oficial da União. Brasília, 14 jan. 2005. Recuperado em 3 mar. 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/L11096.htm>.

Brasil (2006). Presidência da República. Decreto 5.800 de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil – UAB. Diário Oficial da União. Brasília, 9 jun. 2006. Recuperado em 3 mar. 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5800.htm>.

Brasil (2007a). Presidência da República. Decreto 6.095 de 24 de abril de 2007. Estabelece diretrizes para o processo de integração de instituições de educação tecnológica, para fins de constituição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFET, no âmbito da Rede Federal de Educação Tecnológico. Diário Oficial da União. Brasilia, 25 abr. 2007. Recuperado em 3 mar. 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6095.htm>.

Brasil (2007b). Presidência da República. Decreto 6.096 de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – Reuni. Diário Oficial da União. Brasilia, 24 abr. 2007. Recuperado em 3 mar. 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm>.

Brasil (1996). Lei n. 9.261, de 10 de janeiro de 1996. Brasília. Recuperado em 22 jun 2013 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9261.htm>.

Brasil (2005). Resolução n. 3, de 23 de junho de 2005. Brasília. Recuperado em 22 jun. 2013de <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf>.

Castro, C. de M. (1981). O ensino da administração e seus dilemas: notas para debate. RAE – Revista Administração de Empresas, vol. 21, n. 3, pp. 58-61. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901981000300006

Durante, D. G. (2012). A evolução da profissão secretarial por meio da pesquisa. In: Durante, D. G. (org.) Pesquisa em Secretariado: cenários, perspectivas e desafios. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo.

Enade - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (2006). Relatório Síntese: Secretariado Executivo. Inep/MEC.

Enade - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (2009). Relatório Síntese: Secretariado Executivo. Inep/MEC.

Enade - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (2012) Dados preliminares: Secretariado Executivo. Inep/MEC.

Faé, C. S. & Ribeiro, J. L. D. (2005). Um retrato da engenharia de produção no Brasil. Revista Gestão Industrial, vol. 1, n. 3, pp. 24-33. DOI: https://doi.org/10.3895/S1808-04482005000300003

Galindo, A. G.; Souza, E. C. P. & Carvalho, I. da C. (2012). Competências declaradas para atuação do profissional de secretariado executivo sob a perspectiva dos acadêmicos da Universidade Federal do Amapá. Revista Expectativa. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Curso de Secretariado Executivo, vol. 1, n. 11, pp. 9-30.

Lima, K. R. de S. (2012). Expansão e reestruturação das universidades federais e intensificação do trabalho docente. Revista de Políticas Públicas. São Luiz: edição especial, pp. 441-452.

Inep - Instituo Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais Anísio Teixeira (2013). Educação Superior. Recuperado em 22 maio 2013 de .

Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2013) Radar: tecnologia, produção e comércio exterior 2009-2012. Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura. Brasília, n. 1.

MEC - Ministério da educação e cultura (2013). Instituições de educação superior e cursos cadastrados. Recuperado em 22 maio 2013 de .

Mattar, F. N. (1999). Pesquisa de marketing: metodologia e planejamento. (5a ed.) São Paulo: Atlas.

Natalense, M. L. C. (1995). Secretária executiva: manual prático. São Paulo: IOB.

Neiva, E. G. & D’Elia, M. E. S. (2009). Perfil do Profissional Secretário no Mundo globalizado. In: Neiva, E. G. & D’Elia, M. E. S. As novas competências do profissional de Secretariado (2a ed.). São Paulo: IOB, pp. 29-39.

Nicolini, A. (2003). Qual será o futuro das fábricas de administradores? RAE – Revista Administração de Empresas, vol.43, n.2, pp. 44-54. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902003000200003

Oliveira, R. A; Souza, J. T. De. & Morales, R. N. (2010) Indicadores do perfil pessoal que tipificam estudantes do curso de secretariado executivo ingressantes no IEMT em 2010. Recuperado em 22 jun 2013 de <http://www.fenassec.com.br/xviii_consec_2012>.

Peleias, I. R.; Silva, G. P. da; Segreti, J. B. & Chirotto, A. R. (2007). Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: uma análise histórica. Revista de Contabilidade e Finanças, edição especial, pp. 19-32. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772007000300003

Sabino, R. F. & Rocha, F. G. (2004). Secretariado: do escriba ao web writer. Rio de Janeiro: Brasport.

Santos, E. dos & Moretto, C. F. (2011). O mercado de trabalho do secretário executivo no contexto na dinâmica produtiva e do emprego recentes no Brasil. Revista do Secretariado Executivo, n. 7, pp. 21-35.

Saviani, D. (2010). A expansão do ensino superior no Brasil: mudanças e continuidades. Poíesis Pedagógica, vol. 8, n. 2, ago/dez, pp.4-17. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v8i2.14035

SINDSEMG (2013). História da Profissão. Recuperado em 22 jun 2013 de <http://www.sindsemg.com.br/historia.htm>.

Downloads

Publicado

2014-12-01

Como Citar

Daga Cielo, I., Schmidt, C. M., & Wenningkamp, K. R. (2014). Secretariado Executivo no Brasil: Quo Vadis?. Revista De Gestão E Secretariado, 5(3), 49–70. https://doi.org/10.7769/gesec.v5i3.256

Edição

Seção

Artigos