Mercado de trabalho formal em segmentos do agronegócio nas mesorregiões paranaenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2129

Palavras-chave:

Empregos, Renda, RAIS, Paraná, Divisão Social do Trabalho

Resumo

O objetivo deste estudo é comparar e analisar a dinâmica do mercado de trabalho formal em segmentos do agronegócio nas mesorregiões do Estado do Paraná, nos anos de 2012 e 2018. Foram utilizados os microdados de 2012 e 2018 da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), disponibilizados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os resultados apontam redução na população ocupada nos segmentos do agronegócio em todas as mesorregiões paranaense. Não obstante, foi observado que a evolução da distribuição espacial dos trabalhadores e do perfil de renda seguem padrões distintos entre as mesorregiões, demonstrando a existência de divisão social do trabalho nos segmentos do agronegócio no Estado do Paraná. Enquanto que no agronegócio das mesorregiões Norte Central, Metropolitana de Curitiba, Sudeste, Sudoeste, Noroeste, Oeste e Centro Ocidental, a geração de emprego e renda formal no segmento agroindustrial tem importante participação, com características de mercado de trabalho alinhadas ao continuum produtivo urbano-industrial, as mesorregiões Centro-Sul, Norte Pioneiro e Centro Oriental são relevantes na geração de empregos no segmento primário, com características de um continuum produtivo urbano-rural. Essas evidências podem ser explicadas pela teoria dos pólos, uma vez que o processo histórico de modernização do agronegócio impactou o mercado de trabalho formal paranaense com intensidades diferentes nas mesorregiões. Esses resultados fornecem elementos que podem subsidiar a formulação de políticas públicas para o agronegócio paranaense e para o desenvolvimento regional, além de serem úteis a empregadores e trabalhadores do setor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, L. R. (2016). Região, urbanização e polarização. In: Piacenti, C. A.; Ferreira de Lima, J.; Eberhardt, P. H. C. & Alves, L. C. (orgs). Economia e desenvolvimento regional (Cap. 1, pp. 41-52). Foz do Iguaçu: Parque Itaipu.

Barros, G. S. C., Castro, N. R., Gilio, L., Morais, A. C. P. & Almeida, A. N. (2017). Mercado de trabalho do agronegócio brasileiro – Aspectos Metodológicos. Piracicaba: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA).

Brito, M. A. P., Silva Filho, L. A. S., Souza, R. C. C., & Silva, V. P. (2013). Mercado de trabalho agropecuário na Bahia: evolução e relações de trabalho. Informe Gepec, 17(2), 190-203.

Buainain, A. M. & Dedecca, C.S. (2008). Introdução: emprego e trabalho na agricultura brasileira. In: Miranda, C. & Tibúrcio, B. (Org.). Emprego e trabalho na agricultura brasileira (pp. 19-61). Brasília: IICA.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA). (2017). Metodologia - PIB do Agronegócio Brasileiro: Base e Evolução. Piracicaba: CEPEA. Recuperado de: https://www.cepea.esalq.usp.br/upload/kceditor/files/Metodologia%20PIB_divulga%C3%A7%C3%A3o.pdf

Chahad, J. P. Z. (1998). Mercado de trabalho: conceitos, definições e funcionamento. In Manual de economia. São Paulo: Saraiva.

Corrêa, R. L. (1986). Região e organização espacial. São Paulo: Ática.

Delgado, G. C. (1985). Capital Financeiro no Brasil, São Paulo: Ícone.

Eberhardt, P. H. de C., Rippel, R., Lima, J. F. de, & Piffer, M. (2016). Atividade de Base e Multiplicador de Emprego: Considerações sobre o Oeste do Paraná. Revista De Economia Regional, Urbana e do Trabalho, 3(1), 41-56.

Ferrera de Lima, F. (2016). O espaço e a difusão do desenvolvimento econômico regional. In: Piacenti, C. A., Ferrera de Lima, F., & Eberhardt, P. H. Economia e Desenvolvimento Regional (pp. 14-40). Foz do Iguaçu: Parque Itaipu.

Ferrera de Lima, J., Rodrigues, K. F., Alves, L. R., & Rippel, R. (2015) A distribuição espacial do emprego formal na produção algodoeira e têxtil no Estado do Paraná no período de 1997 a 2007. Revista Da FAE, 17(1), 198-211. Recuperado de https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/14

Ferrera de Lima, J., Piacenti, C. A., Alves, L. R. (2005). Ciclos de produção intensiva e extensiva na agricultura brasileira e seus impactos na ocupação da mão-de-obra agrícola (1960-2000). Canadian Journal Of Latin American Caribbean Studies, 30(60), 93-116. DOI: https://doi.org/10.1080/08263663.2005.10816880

Harvey, D., (1994). Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola.

Kureski, R., Maia, K., & Rodrigues, R. L. (2013). O produto interno bruto do agronegócio paranaense. Rev. Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 9(3), 292-312.

Maia, A. G., & Sakamoto, C. S. (2014). A nova configuração do mercado de trabalho agrícola brasileiro. In: BUAINAIN, A. M., ALVES, E., SILVEIRA, J. M., & NAVARRO, Z. (Orgs.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola (pp.591-620). Brasília: Embrapa.

Miele, M., Miranda, C. R. (2013). O desenvolvimento da agroindústria brasileira de carnes e as opções estratégicas dos pequenas produtores de suínos do Oeste Catarinense, no início do século 21. In: Campos, S. K., & Navarro, Z. (Orgs.). A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: ganhar tempo é possível? (pp. 201-229). Brasília, DF: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). (2020). Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), Brasília: MTE. Recuperado de ftp://ftp.mtps.gov.br/pdet/microdados/RAIS/

Morais, A. C. P., Castro, N. R., Barros, G. S. C., Gilio, L., Almeida, A. N., Fachinello, A. L., & Oliveira, J. A. S. (2018). Mercado de trabalho do agronegócio nos estados brasileiros. Revista Política Agrícola, 27(4), 47-59.

Oliveira, L. R. (2004). O perfil do mercado de trabalho formal do estado do Paraná: análise do período 1989-1999. Scientia Iuris, 7, 179-200. DOI: https://doi.org/10.5433/2178-8189.2004v7n0p179

Perroux, F. (1977). O conceito de pólo de desenvolvimento. In: Schwartzman, J. (Org.). Economia regional: textos escolhidos (pp.145-156). Belo Horizonte: Cedeplar.

Piffer, M. (2016). A dinâmica da base econômica regional. In: Piacenti, C. A., Ferreira de Lima, J., Eberhardt P. H. C. & Alves, L. C. (Orgs). Economia e desenvolvimento regional (Cap. 2, pp 108-121). Foz do Iguaçu: Parque Itaipu.

Rippel, R. & Ferrera De Lima, J. (2009). Pólos de Crescimento Econômico: notas sobre o caso do Estado do Paraná. Revista Redes, 14(1), 136-149.

Santos, M. (1996). A natureza do Espaço - técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec.

Santos, M. (2003). Economia espacial. (2a ed.). São Paulo: Edusp.

Souza, M. L., Castro, N. R., Gilio, L., Morais, A. C. P. & Barros, G. S. C. (2020). Mercado de trabalho do agronegócio no centro-oeste: a importância do setor para o dinamismo regional. Revista de Economia e Agronegócio (REA), 18(1), 1-20. DOI: https://doi.org/10.25070/rea.v18i1.8426

Staduto, J. A. R.; Kreter, A. C. (2014). A questão agrária e o mercado de trabalho rural no Brasil. Informe Gepec, 18(1), 177-192. DOI: https://doi.org/10.48075/igepec.v18i1.9283

Downloads

Publicado

2023-05-11

Como Citar

de Souza, M. P. R., Ruths, J. C., & Piffer, M. (2023). Mercado de trabalho formal em segmentos do agronegócio nas mesorregiões paranaenses. Revista De Gestão E Secretariado, 14(5), 7404–7428. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2129