Inovação social e racionalidade em Weber: um estudo de caso em organizações da sociedade civil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2123

Palavras-chave:

Inovação Social, Organizações da Sociedade Civil, Racionalidade

Resumo

Ainda que não se tenha unanimidade conceitual para determinar as inovações sociais, os estudos sob esta temática passaram a despertar a atenção dos pesquisadores, pois há expectativa de que o desenvolvimento das ações nessa área proporcionem maior empoderamento e emancipação à parte desassistida da sociedade. As organizações da sociedade civil se apresentam como detentoras de grande potencial para empregar iniciativas junto a esta camada social. Sob essa ótica, faz-se necessário compreender quais os direcionadores que orientam as decisões presentes nas ações de inovação social dessas organizações, uma vez que as ações dos sujeitos que desdobram essas iniciativas de inovação social são influenciadas por seus contextos sociais e por consequência suas racionalidades. Nesse sentido, esse artigo consiste em um estudo de caso versando sob a temática da inovação social e racionalidade, buscando investigar a característica das ações realizadas por uma organização da sociedade civil localizada em Florianópolis-SC sob a perspectiva da racionalidade definida pelo sociólogo Max Weber. A abordagem da pesquisa foi qualitativa e as principais constatações indicam que as ações que geram entregas para o público que se destinam, proporcionando empoderamento e emancipação possuem características mais ligadas à racionalidade orientada à valores, embora em alguns momentos ocorra certa tensão entre esse tipo com a racionalidade orientada à fins.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agostini, Manuela Rösing. (2016). Correlações entre diferentes terminologias no contexto do terceiro setor: Inovação social x Empreendedorismo social x Empresa social x Negócio social. In: Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais.

Alves, Mário Aquino. (2002). Terceiro Setor: o dialogismo polêmico. Tese de Doutorado.

Assogba, Yao. (2007). Innovation sociale et communauté. Une relecture à partir dessociologues classiques. Alliance de recherche université-communauté/ innovation sociale et développement des communautés (AURC-ISDC), Universitédu Québec enOutaouais (UQO), Série: Recherches, n. 5;

aucier, Carol et al. (2007). Axe 3–Développement et territoire. L’innovation sociale. Émergence et effets sur la transformation des sociétés, Presses de l’Université du Québec, Québec, p. 377-396.

Bignetti, Luiz Paulo. (2011). As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, p. 3-14; DOI: https://doi.org/10.4013/csu.2011.47.1.01

CENTRO CULTURAL ESCRAVA ANASTACIA. (2014). Extraído de <https://issuu.com/centroculturalescravaanastacia/docs/relatorio-ccea-2104-pdf-completo>

CENTRO CULTURAL ESCRAVA ANASTACIA. (2019). Projeto Político Pedagógico. Nova edição. Setembro/2019.

Cloutier, Julie. (2003). Qu’est-cequel’innovationsociale?In: CRISES. Centre de Recherche surlês Innovations Sociales. Cahierdu CRISES. Québec;

Creswell, John W. (2010). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. In: Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed.

Crises. (2017). Centre de Recherche Sur Les Innovations Sociales. Extraído de Crises http://crises.uqam.ca;

Flick, Uwe. (2009). Qualidade na pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa Qualitativa. Bookman Editora.

Gil, Antonio Carlos. (2012). Como elaborar projetos de pesquisa, 5ª edição. Atlas.

Groot, Asceline; Dankbaar, Ben. (2014). Does Social Innovation Require Social Entrepreneurship? Technology Innovation Management Review, v. 4, n. 12. Extraído de http://timreview.ca/article/854 DOI: https://doi.org/10.22215/timreview/854

Hair Jr, Joseph F. et al. (2005). Análise Multivariada de dados. Traduçao: Adonai Schlup Sant ‘Anna e Anselmo Chaves Neto.

Moulaert, Frank; Maccallum, Diana; Hillier, Jean. (2013). Social innovation: intuition, precept, concept. The International Handbook on Social Innovation: collective action, social learning and transdisciplinary research, v. 13; . DOI: https://doi.org/10.4337/9781849809993.00011

Mulgan, Geoff et al. (2007). Social innovation: what it is, why it matters and how it can be accelerated.

Murray, Robin; Caulier-Grice, J.; Mulgan, G. (2010). The open book of social innovation. Social innovator series: Ways to design, develop and grow social innovation. London: NESTA/Young Foundation.

Muzzio, Henrique. (2014). A Condição Paradoxal da Administração de Recursos Humanos: Entre a Racionalidade Instrumental e a Racionalidade Substantiva. Cadernos EBAPE. BR, v. 12, n. 3, p. 706; DOI: https://doi.org/10.1590/1679-39519373

Pol, Eduardo; Ville, Simon. (2009). Social innovation: Buzz word or enduring term?. The JournalofSocio-Economics, v. 38, n. 6, p. 878-885; DOI: https://doi.org/10.1016/j.socec.2009.02.011

Quintaneiro, Tânia. (2003). Um toque de clássicos - Marx, Durkheim e Weber. Editora UFMG.

Richardson, Roberto. (1999). Jarry e colaboradores. Pesquisa social: métodos e técnicas, v. 3.

Serva, M. (1997). A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas, v. 37, n. 2, p. 18-30. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901997000200003

Taylor, James B. (1970). Introducing social innovation. The Journal of Applied Behavioral Science, v. 6, n. 1, p. 69-77; DOI: https://doi.org/10.1177/002188637000600104

Weber, M. (2009). Economia e Sociedade. Brasilia: Unb.

Weber, Max.(2002). Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: LTC Editora, ed. 5. 2002.

Yin, Robert K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos, 5th edição. Bookman.

Downloads

Publicado

2023-05-10

Como Citar

Bernardes, L. dos S., Borba, P. C., Machado, S. C. B., Casagrande, J. L., Nunes, N. A., & Andreola, J. F. (2023). Inovação social e racionalidade em Weber: um estudo de caso em organizações da sociedade civil. Revista De Gestão E Secretariado, 14(5), 7316–7331. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2123