Carta de serviços ao usuário: uma reflexão sobre os últimos 5 anos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2116

Palavras-chave:

Administração Pública, Carta de Serviços, Transparência Pública

Resumo

O Decreto 9.094/2017, que institui a Carta de Serviços ao Usuário, busca atender as demandas de informação e transparência ao usuário do serviço, o que inclui os usuários das universidades federais de ensino superior (UFES). Assim, o presente estudo buscou avaliar como este dispositivo legal tem sido cumprido pelas 68 UFES, ou seja, se a Carta tem sido disponibilizada aos usuários. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória e descritiva destas UFES e em especial da Universidade Federal Rural de Pernambuco, utilizando as estratégias de levantamento e estudo de caso. Como resultado, constatou-se que a maioria das universidades pesquisadas possuem a Carta publicada no site institucional, porém, com objetivo único de atender ao requisito básico do decreto e não de auxiliar o acesso ao usuário. Os resultados demonstraram que cerca de 94% das UFES disponibilizam a Carta de Serviços ao Usuário em seus sítios eletrônico. A UFRPE faz parte dessas instituições e vem aprimorando sua política de transparência com a adoção da carta de serviço ao cidadão, mesmo que tardiamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Decreto Nº 6.932. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos no Brasil, institui a “Carta de Serviços ao Cidadão” e dá outras providências. 2009.

BRASIL. Decreto Nº 8.936. Institui a Plataforma de Cidadania Digital e dispõe sobre a oferta dos serviços públicos digitais, no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. 2016.

BRASIL. Decreto Nº 9.094. Regulamenta dispositivos da Lei nº 13.460, de 26 de junho de 2017, dispõe sobre a simplificação do atendimento prestado aos usuários dos serviços públicos, institui o Cadastro de Pessoas Físicas - CPF como instrumento suficiente e substitutivo para a apresentação de dados do cidadão no exercício de obrigações e direitos e na obtenção de benefícios, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma e da autenticação em documentos produzidos no País e institui a Carta de Serviços ao Usuário. (Redação dada pelo Decreto nº 9.723, de 2019). 2017a.

BRASIL. Decreto 10.332. Institui a Estratégia de Governo Digital para o período de 2020 a 2022, no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. 2020

BRASIL. Dicionário de Políticas Públicas. Acesso em: 01 fev. 2018. Disponível em: <http://pt.calameo.com/read/0016339049620b36a7dac> 2012.

BRASIL. Guia de Gestão de Processos de Governo. Disponível em Acesso em: 01 fev. 2018. 2011.

BRASIL. Guia Metodológico de Elaboração da Carta. Disponível em <http://www.gespublica.gov.br/sites/default/files/documentos/carta_de_servicos_ao_cidadao_-_guia_metodologico.pdf> Acesso em: 01 fev. 2018. 2014.

BRASIL. Lei Nº 12.527. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. 2011.

BRASIL, Lei Nº 13.460. Dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública. 2017b.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, p. 7-40, jan./abr. 1996.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reformado do Estado para a cidadania: a Reforma Gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo: Editora 34; Brasília: ENAP, 1998a.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reforma gerencial de 1995: documents and works on the Brazilian public management reform. Acesso em: 02 fev. 2018. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/rgp.asp> S.d.

CANÇADO, A. C.; TENÓRIO, F. G.; PEREIRA, J. R. Gestão social: reflexões teóricas e conceituais. Cadernos EBAPE, v. 9, n. 3, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1679-39512011000300002

CORNELIO, N. A. G.; ABREU, A. F.; COSTA, E. O. Espaço interativo: modelo de relação universidade-empresa baseada em comunidades de prática. Revista Ciência da Informação, Brasília-DF, v. 39 n. 1, p. 9-20, jan./abr., 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652010000100001

DAVENPORT, Thomas. Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

DENHARDT, R. B.; DENHARDT, J. V. The new public service: Serving rather than steering. Public Administration Review, v. 60, n. 6, p. 549-559, 2000. DOI: https://doi.org/10.1111/0033-3352.00117

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Ceará: Universidade Estadual do Ceará, 2002.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed., São Paulo: Atlas. 2008.

GOHN, M. G. O Protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GONÇALVES, J. E. L. As empresas são grandes coleções de processos. São Paulo: Revista de Administração de Empresas, v. 40, p. 6-19. 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902000000100002

MEIRELLES, H. L. Direito Administrativo Brasileiro. 19. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 1994.

MENDES, R. G. Carta de Serviços ao Cidadão: extraindo a descrição da prestação de serviços a partir dos processos de negócios. Dissertação (Mestrado). Disponível em: <http://bit.ly/2oxQOPp>. Acesso em: 04 mar. 2016. 2016

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

PAES DE PAULA, A. P. Administração pública brasileira: entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 1, p. 36-49, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902005000100005

PAIM, R.; CARDOSO, V.; CAULLIRAUx, H.; CLEMENTE, R. Gestão de Processos: pensar, agir e aprender. Porto Alegre: Bookman, 2009.

SANDERSON, I. Evaluation, learning and the effectiveness of public services: towards a quality of public service model. International Journal of Public Sector Management, v. 9, n. 5/6, p. 90-108, 1996. DOI: https://doi.org/10.1108/09513559610146375

SANTOS, N. M. B.; ROSSO, M. J. U. Desvendando a cultura organizacional em instituições de ensino superior. Revista Administração em Diálogo. v. 6, n. 1, 2004.

SANTOS, D. R. S. Guia simplificado para atualização da carta de serviços ao usuário Instituto Federal de Sergipe: versão 1.0. Análise do processo de transformação digital do Instituto Federal de Sergipe sob o enfoque da carta de serviços ao usuário, 2022.

SECCHI, L. Modelos Organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 2, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122009000200004

SERVIN, G., & DE BRUN, C. ABC of knowledge management. NHS National Library for Health: Specialist Library. 2005.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 20, p. 60-70, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000200005

SIERVE, F. Gestão por Processos atuando como diferencial competitivo. Disponível em: <http://www.gestaoporprocessos.com.br>. Acesso em: 01 fev. 2016. 2014.

TEIxEIRA, M. A. C. Estado, governo e administração pública. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

TORRES, L. Service Charters Reshaping Trust in Government- The Case of Spain. Public Administration Review, v. 65, n. 6, p. 687-699, 2005. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6210.2005.00498.x

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed., Porto Alegre: Bookman, 2005

Downloads

Publicado

2023-05-09

Como Citar

dos Reis, J. V. C., de Souza, D. F., Azevedo, Érika S. F., Castro, M. P. de A., & Correia Neto, J. da S. (2023). Carta de serviços ao usuário: uma reflexão sobre os últimos 5 anos. Revista De Gestão E Secretariado, 14(5), 7210–7231. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2116