A diversidade de gênero na perspectiva organizacional: um programa de liderança feminina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2112

Palavras-chave:

Diversidade de Gênero, Organizações, Programa de Liderança para Mulheres

Resumo

Este artigo versa sobre diversidade de gênero nas organizações e tem por objetivo compreender, sob a perspectiva de gestores de uma empresa do ramo financeiro, o processo de constituição do Programa de Liderança para Mulheres e as motivações organizacionais que levaram a essa iniciativa. O Programa de Liderança para Mulheres é uma iniciativa que envolve mulheres associadas e visa a promover a equidade de gênero, considerando a participação na gestão em todos os níveis da organização. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo, e os dados foram analisados e categorizados. Os instrumentos de pesquisa consistiram em uma entrevista semiestruturada e a observação participante. Participaram da pesquisa oito pessoas com cargos de alta liderança que atuam em diferentes unidades e Centrais regionais no Brasil. Os achados das entrevistas foram classificados e resultaram na criação de duas categorias: a) igualdade, equidade e paridade de gênero, que abarca as motivações para criação do Programa de Liderança para Mulheres bem como, as intersecções com o papel social das organizações na ampliação da consciência sobre o tema na sociedade e; b) relações e tensões entre culturas comunitárias e a cultura organizacional. Evidenciou-se que a busca por igualdade, equidade e paridade de gênero são fatores importante nesse processo organizacional e que os líderes têm um papel social nas organizações. Esse esforço também se traduz na busca pela transformação da questão cultural do espaço ocupado pelas mulheres, em especial pela configuração histórica da organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abramo, L. (2010). Introdução. In: Organização Internacional do Trabalho. Igualdade de gênero e raça no trabalho: avanços e desafios (pp. 17-47). Brasília: OIT. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_229333.pdf

Arendt, H. (2001). A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bavon, A. (2020). A relevância da cultura inclusiva no novo capitalismo. In: Forbes Collab. https://forbes.com.br/forbes-collab/2020/07/a-relevancia-da-cultura-inclusiva-no-novo-capitalismo/

Beauvoir, S. (2016). O Segundo Sexo. (2a ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Berth, J. (2019). Empoderamento. São Paulo: Pólen.

Eagly, A. & Carli, L. L. (2007). Women and the Labyrinth of Leadership. In: Harvard Business Review. https://hbr.org/2007/09/women-and-the-labyrinth-of-leadership

Hewlett, S. A. (2014). Make yourself sponsor-worthy. In: Harvard Business Review. https://hbr.org/2014/02/make-yourself-sponsor-worthy

Ibarra, H., Carter, N. M. & Silva, C. (2010). Why men still get more promotions than women. In: Harvard Business Review. https://hbr.org/2010/09/why-men-still-get-more-promotions-than-women

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2019). Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua. https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18314-trabalho-e-rendimento.html

Kinias, Z. & Petriglieris, J. (2019). INSEAD Gender Diversity Programme. In: INSEAD, The Business School for the world. https://www.insead.edu/executive-education/open-online-programmes/insead-gender-diversity-programme

Lagerberg, F. & Schmidt, K. (2020). Women in Business 2020: Putting the Blueprint into action. London: Grant Thornton. https://www.grantthornton.ca/globalassets/1.-member-firms/canada/insights/pdfs/women-in-business-report-2020.pdf

Le Doaré, H. (2009). Paridade. In: Hirata, H., Laborie F., Le Doaré, H. & Senotier, D. (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo (pp. 167-173). São Paulo: Editora Unesp.

León, M. (2001). El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primer y tecer mundos en los estúdios de género. La ventana, (13), 94-106. http://148.202.18.157/sitios/publicacionesite/pperiod/laventan/Ventana13/ventana13-4.pdf

Meyer, D. E. (2004). Teorias e políticas de gênero: fragmentos históricos e desafios atuais. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(1), 13-8. https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000100003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000100003

Minayo, M. C. S. (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (21a ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Minayo, M. C. S. (2010). Introdução. In: Minayo, M. C. S., Assis, S. G. & Souza, E. R. (Orgs.). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais (3a ed.). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Mlambo-Ngucka, P. (2016). Declaração de Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres, pelo Dia Internacional dos Povos Indígenas do Mundo em 2016. In: ONU Mulheres Brasil. https://www.onumulheres.org.br/noticias/declaracao-de-phumzile-mlambo-ngcuka-diretora-executiva-da-onu-mulheres-no-dia-internacional-das-mulheres-de-2021/#:~:text=O%20Dia%20Internacional%20das%20Mulheres,de%20g%C3%AAnero%20e%20direitos%20humanos.

Oficina Internacional del Trabajo (OIT). (2018). Perspectivas Sociales y del Empleo en el Mundo: Avance global sobre las tendencias del empleo femenino 2018. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_619603.pdf

Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). (2020). História do Cooperativismo Brasileiro. https://www.ocb.org.br/historia-do-cooperativismo

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2021). Estatísticas e bancos de dados. https://www.ilo.org/global/statistics-and-databases/lang--en/index.htm

Organização das Nações Unidas. (2019). Indicadores Brasileiros para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). https://odsbrasil.gov.br/home/agenda

Pellegrino, G., D’Amato, S. & Weisberg, A. (2011). The gender dividend: Making the business case for investing in women. New York: Deloitte. https://www.in.gov/icw/files/genderdividend.pdf

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. de F. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Ribeiro, G. L. (2008). Diversidade Cultural enquanto discurso global. Desigualdade & Diversidade: Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, (2), 199-233. https://repositorio.unb.br/handle/10482/18388

Ruggie, J, G. (2013). Quando negócios não são apenas negócios: as corporações multinacionais e os Direitos Humanos. São Paulo: Planeta Sustentável.

Santos, B. S. (2003). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Schuh, A. T. (2016). Direitos humanos e empresas nas perspectivas do trabalho decente, das relações com comunidades e da responsabilidade social [Trabalho de conclusão de curso em Administração), Universidade Feevale]. Repositório da Universidade Feevale. https://biblioteca.feevale.br/Monografia/MonografiaAlexandreTadeuSchuh.pdf

Serpa, D. A. F. & Fourneau, L. F. (2007). Responsabilidade social corporativa: uma investigação sobre a percepção do consumidor. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 83-103. https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000300005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552007000300005

STCP. (2016). STCP apoia Pacto Global das Nações Unidas. https://www.stcp.com.br/sobre/pacto-global/#:~:text=STCP%20APOIA%20PACTO%20GLOBAL%20DAS%20NA%C3%87%C3%95ES%20UNIDAS&text=%C3%89%20hoje%20a%20maior%20iniciativa,locais%2C%20que%20abrangem%20160%20pa%C3%ADses

Thiry-Cherques, H. R. (2009). Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Revista Brasileira de Pesquisa de Marketing, Opinião e Mídia, (3), 20-27. http://www.revistapmkt.com.br/Portals/9/Edicoes/Revista_PMKT_003_02.pdf

Thomas, R., Cooper, M., Cardazone, G., Urban, K., Bohrer, A., Yee, L., Krivkovich, A., Huang, J., Prince, S., Kumar, A. & Coury, S. (2020). Women in the Workplace 2020: Corporate America is at critical crossroads. Lisboa: McKinsey & Company. https://wiw-report.s3.amazonaws.com/Women_in_the_Workplace_2020.pdf

United Nations Educational, Scientific, and Cultural Organization (UNESCO). (1992). The Contribution of Education to Cultural Development. https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED369699.pdf

United Nations Educational, Scientific, and Cultural Organization (UNESCO). (2001). Universal Declaration on Cultural Diversity: Adopted by the General Conference of the United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization at its thirty-first session on 2 November 2001. https://adsdatabase.ohchr.org/IssueLibrary/UNESCO%20Universal%20Declaration%20on%20Cultural%20Diversity.pdf

Valente, L. (2019). Panorama Mulher 2019 e o cenário mundial. In: Talenses, Insper. Panorama Mulher: A presença de mulheres em cargos de liderança nas organizações do Brasil. São Paulo: Talenses, Insper. http://online.fliphtml5.com/gbcem/bczq/#p=1

Walby, S. (2003). Gender Mainstreaming: Productive Tensions in Theory and Practice. Annals of ESRC Gender Mainstreaming Seminars, Oxonia, United Kingdom. https://vdocuments.net/gender-mainstreaming-productive-tensions-in-theory-mainstreaming-productive.html?page=7

Williams, J. C. (2004). The Maternal Wall. In: Harvard Business Review. https://hbr.org/2004/10/the-maternal-wall

Williams, R. (1983). Keywords: a vocabulary of culture and society. Oxford: Oxford University Press.

Woetzel, J., Madgavkar, A., Ellingrud, K., Labaye, E., Devillard, S., Kutcher, E., Manyika, J., Dobbs, R. & Krishnan, M. (2015). The power of parity: how advancing women’s equality can add $12 trillion to global growth. Atlanta: McKinsey & Company. https://www.mckinsey.com/~/media/McKinsey/Industries/Public%20and%20Social%20Sector/Our%20Insights/How%20advancing%20womens%20equality%20can%20add%2012%20trillion%20to%20global%20growth/MGI%20Power%20of%20parity_Full%20report_September%202015.pdf

World Economic Forum. (2020). Global Gender Gap Report 2020. https://www.weforum.org/reports/gender-gap-2020-report-100-years-pay-equality

Downloads

Publicado

2023-05-08

Como Citar

Gomes, G., Renner, J. S., & Meyer, D. E. E. (2023). A diversidade de gênero na perspectiva organizacional: um programa de liderança feminina. Revista De Gestão E Secretariado, 14(5), 7153–7173. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i5.2112