Modelo de avaliação de desempenho global para instituições de ensino básico públicas estaduais e municipais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i2.1682

Palavras-chave:

Avaliação, Desempenho, Educação Básica, Impacto Social, Indicador

Resumo

A gestão da educação básica nacional tem sido um desafio enfrentado pelos órgãos governamentais, sendo este um setor estratégico para o desenvolvimento da sociedade, já que suas instituições preparam jovens para o ensino técnico e superior em todo o país, gerando impacto no mercado de trabalho e nas comunidades locais. O objetivo deste trabalho foi propor um modelo de avaliação de desempenho global para instituições de ensino básico públicas estaduais e municipais, a fim de contribuir com melhorias na qualidade da avaliação e gestão escolar. Através dos resultados de um estudo de caso realizado com três escolas públicas paulistas, por meio da aplicação de 14 entrevistas e análise documental, e com base em modelos de avaliação de desempenho organizacional presentes na literatura, foi desenvolvido um modelo com 10 dimensões de avaliação e 51 indicadores de desempenho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, S., & Silva, C. M. (2013) - A nova estrutura administrativa da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo: por uma gestão de resultado com foco no desempenho do aluno – São Paulo, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Centro de Referência em Educação Mario Covas, ISBN 978-85-7849-532-9.

Aragon-Correa, J. A., Marcus, A., Rivera, E., & Kenworthy, A. I. (2017). Sustainability management teaching resources and the challenge of balancing planet, people, and profits. Academy of Management Learning & Education, vol. 16, nº 3, p. 469-483. DOI: https://doi.org/10.5465/amle.2017.0180

Auster, E. R., & Wylie, K. K. (2006). Creating active learning in the classroom: A systematic approach. Journal of Management Education, 30(2), p. 333–353. DOI: https://doi.org/10.1177/1052562905283346

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Corrêa, H. L., & Cunha, J. C. (2013). Avaliação de desempenho organizacional: um estudo aplicado em hospitais filantrópicos. Revista de Administração de Empresas (RAE), v. 53, nº 3. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902013000500006

Brundtland, G. H. (1987). Our Common Future – The World Commission on Environment and Development. Oxford, Oxford University Press.

Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. (2007). Dispõe sobre ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social das famílias e comunidades pela melhoria da qualidade da Educação Básica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6094.htm. Acesso em 30/06/2019.

Decreto n. 9.432, de 29 de junho de 2018. (2018). Regulamenta a política nacional de avaliação da Educação Básica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9432.htm. Acesso em 25/06/2019.

Decreto n. 54.253, de 17 de abril de 2009 (2009). Esclarece sobre a aplicação do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/norma/155314. Acesso em 30/06/2019.

Decreto n. 59.354, de 15 de julho de 2013 (2013). Dispõe sobre o Programa Ensino Integral. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/norma/170694. Acesso em 05/07/2019.

Dias, F. B., Mariano, S. R. H., & Cunha, R. M. (2017). Educação Básica na América Latina: uma análise dos últimos dez anos a partir dos dados do Programa Internacional de Avaliação dos Estudantes (PISA). Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, vol. 11, nº 4. DOI: https://doi.org/10.12712/rpca.v11i4.1065

Dutra, J. S. (2004). Competências: conceitos e instrumentos para a Gestão de Pessoas na empresa moderna. 1ª ed. SP: Atlas.

Edvinsson, L. (1997). Developing intellectual capital at Skandia. Long Range Planning, vol. 30, p. 366-373. DOI: https://doi.org/10.1016/S0024-6301(97)90248-X

Elkington, J. (1998). Cannibals with forks: the Triple Bottom Line of 21st century business, 2nd ed., Capstone Publishing Ltd, Oxford. DOI: https://doi.org/10.1002/tqem.3310080106

Galvão, H. M., Corrêa, H. L., & Alves, L. (2011). Modelo de avaliação de desempenho global para instituição de ensino superior. Revista de Administração da UFSM, v.4, p. 425-441. DOI: https://doi.org/10.5902/198346593657

Godoy, A. S. (2007). Estudo de caso qualitativo. In: Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R, & Silva, A. B. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. São Paulo: Saraiva, p. 115-146.

Harasim, L. (2012). Learning theory and online technology: How new technologies are transforming learning opportunities. New York: Routledge Press. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203846933

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. (2021). O que é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) e o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA). Disponível em: http://portal.inep.gov.br/ideb. Acesso em 30/06/2019.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1997). A Estratégia em ação: Balanced Scorecard. RJ: Campus.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos. 5ª ed., Bookman.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 25/06/2019.

Lugobini, L. F., Soares, L. S., Corrêa, H. L., Chiareto, J., & Dias, B. G. (2013). Avaliação de desempenho de escolas técnicas estaduais de São Paulo: um modelo baseado em indicadores. XXXVII Encontro da Anpad.

Malacarne, R., Balassiano, M., & Nossa, V. (2016). Implicações do BSC nas práticas cotidianas que envolvem a Gestão de Pessoas: Estudo de caso em uma instituição de educação profissional. Organizações & Sociedade (O&S) – Salvador, v. 23, nº 78, p. 406-420. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-92307834

Miake, A. H. S., Carvalho, R. B., Pinto, M. R., & Graeml, A. R. (2017). Gestão do conhecimento do cliente (GCC): Proposta e avaliação de um modelo em um grande grupo privado de Ensino Superior brasileiro. Brazilian Business Review (BBR), p. 135-151.

Petrini, M., Scherer, P., & Back, L. (2016). Modelo de negócios com impacto social. Revista de Administração de Empresas (RAE), vol. 56, nº 2, p. 209-225. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-759020160207

Rocha, A. B., & Funchal, B. (2019). Mais recursos, melhores resultados? As relações entre custos escolares diretos e desempenho no Ensino Médio. Revista de Administração Pública (RAP), Rio de janeiro, 53 (2), p. 291-309. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220170175

Sassaki, A. H., Pietra, G. A. C., Filho, N. A. M., & Komatsu, B. K. (2018). Por que o Brasil vai mal no PISA? Uma análise dos Determinantes do Desempenho no Exame. Policy Paper, nº 31, Centro de Políticas Públicas – Insper.

UNDP – United Nations Development Programme (2021). Desenvolvimento humano – o IDH e IDHM. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0.html. Acesso em: 10/01/2021.

United Nations (2021). About Sustainable Development Goals (SDG). Disponível em: https://www.un.org/sustainabledevelopment/. Acesso em: 20/01/2021.

Downloads

Publicado

2023-02-16

Como Citar

Abelha, D. M., Sakai, M., Cajuela, A. R., & Corrêa, H. L. (2023). Modelo de avaliação de desempenho global para instituições de ensino básico públicas estaduais e municipais. Revista De Gestão E Secretariado, 14(2), 2043–2067. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i2.1682